sexta-feira, 1 de julho de 2011

Contos e cantos de Santo Amaro

Prof. Eliandro.
"O bairro de Santo Amaro tem muitas curiosidades, como as suas ruas que não vão em direção ao centro de São Paulo, regra em todas as cidades, e como todos os caminhos levavam á Roma, direcionam-se contrárias ao centro de São Paulo, para a Igreja Matriz do Largo Treze de maio (chamado antigamente de Largo do  jogo da bola).
Antigo Brasão da Cidade -
criado por Visconde de Taunay 
A Igreja Matriz, que também deveria abrir suas portas em direção a Catedral da Sé, tem suas coordenadas direcionadas á Basílica de São Pedro no Vaticano. 


São Paulo é a única cidade que possui duas Santas Casas de Misericórdias, pois, Santo Amaro ja foi cidade.


Entre tantos "Santo Amaros" espalhados pelo Brasil, ele é o primeiro, fundado em 1561,com algumas controvérsias a respeito da data, onde alguns dizem ter sido antes, mas comprovadamente, é a data colocada anteriormente a mais aceita.


É o único bairro do Brasil, onde seus artistas espalharam suas obras por todo lado, e em todos os cantos, a todo momento, e de diversas formas, os traços da arte de Julio Guerra, Paulo Eiró, entre outros, a poesia ali se materializa.


Temos um segurança particular, de cerca de 12 metros de altura, Borba Gato, pronto para proteger as terras do antigo Planalto Paulistano.


O Cemitério aqui não é somente lugar para chorar e lembrar, ainda permanece o nome Acrópole, na fachada, a cidade dos mortos, onde "vivem", os personagens que escreveram a Odisseia do antigo município, que da noite pro dia virou bairro, a partir de um decreto.



Um farmacêutico chamado de ZÉ, que ajudava as pessoas doentes da região, pelo povo foi eleito vereador José Diniz, e ganhou outra homenagem, dando nome á uma grande avenida.
Poema de Paulo Eiró



Santo Amaro de artistas, poetas, militares, e de Miria de Moraes, nascida nas terras que Fernão Dias, sogro do Santamarense Borba Gato, descobriu as primeiras minas de ouro, descendente de índios, e que ha mais de vinte anos fala sobre o nosso bairro santo, como poucos, é com certeza, uma das esmeraldas que Fernão Dias buscava encontrar.


Cavaleiros do Bom Jesus de Pirapora -
 Obra de  Júlio Guerra (em frente a Casa de Cultura de Santo Amaro)


Mauro, filho de um senador do antigo e poderoso Império Romano, e que poderia ser lembrado apenas por esse fato, mas que se se tornou Santo Amaro, por seus próprios êxitos, e assim aqueles que, aqui nasceram, e aqueles que, aqui habitam, ou habitaram,  também carregam esse DNA de grandes feitos.
Sempre seguros pelos seus heróis, e abençoados pelos seus santos, que assim permaneçam para todo o sempre Amém!"


Eliandro Verissimo.


Postar um comentário